Real Digital: O que é e como vai funcionar o futuro do dinheiro

por Tasso Lago, em 17 de dezembro de 2021

Engenheiro, Pós Graduado em Finanças Corporativas pela COPPEAD/UFRJ e Mestre em Corporate Finance pela Université de Bordeaux. Atuou como Analista Financeiro para o Banco da IBM - USA e para Fundação Getúlio Vargas como Inteligência de Mercado. Professor de Blockchain e Criptomoedas na COPPEAD/UFRJ. Atua como Gestor de Portfólio e Consultor Financeiro, tendo mais de 10 milhões de reais em ativos gerenciados.




Vamos começar este artigo com uma pergunta: quantas notas ou moedas de real você tem na carteira? Aposto que não são muitas!

E num mundo onde fazemos praticamente de tudo pela internet, não é o dinheiro que ficaria de fora. O Brasil já está dando os primeiros passos para digitalizar o Real. Sim, é isso mesmo que você acabou de ler. Teremos o Real digital.

Em maio deste ano, o Banco Central (BC) divulgou as diretrizes gerais para lançar o Real Digital, também chamado de Central Bank Digital Currencies (CBDC).

Isso vai permitir o desenvolvimento de novas tecnologias e funcionalidades que podem baratear operações de pagamento e ampliar as possibilidades de transações, de acordo com o BC.

A previsão do órgão é lançar a moeda digital em 2024, se tudo ocorrer com o cronograma traçado.

E a divulgação dessas diretrizes vai de acordo com uma tendência mundial. Segundo dados do Banco de Compensações Internacionais (BIS), cerca de 86% dos bancos centrais do mundo demonstraram interesse em uma moeda digital.

Simultaneamente, 60% dessas instituições já fizeram ou estão com estudo em curso para lançá-las.

E isso ganha força com a visão do sistema financeiro de que cada vez mais o mundo será mais digital e menos físico, principalmente no que diz respeito a atividades econômicas.

Real digital o que é e como funciona
Como vai funcionar o real digital?

O real digital é a criptomoeda brasileira?

Antes que você comece a pensar nisso, vamos esfriar os ânimos dos entusiastas: o real digital não é uma criptomoeda. Apesar das semelhanças no conceito básico das duas, a forma de circulação delas é bem diferente.

Então quais são as diferenças?

Em linhas gerais, as criptomoedas são ativos financeiros com base na oferta e procura. Além disso, a custódia das criptomoedas é feita pelo próprio investidor, seja através de uma carteira específica para isso ou de um corretora.

Já o Real Digital terá emissão por uma autoridade monetária (O Banco do Brasil) com segurança criptografada via blockchain. Portanto, o CBDC é uma divisa com lastro na própria moeda — nesse caso, o real — enquanto o bitcoin não possui nenhum lastro.

Outra diferença importante é que a versão digital do real terá tutela de instituições financeiras. Em outras palavras, o saldo sempre estará dentro de um banco e as transações sempre ocorrerão por intermédio das instituições financeiras.

Dessa forma, não será possível fazer transferências e pagamentos sem passar pelo sistema bancário, como ocorre hoje com criptomoedas.

Agora como o real digital vai funcionar?

Para entender melhor como ele vai funcionar, vamos imaginar um cenário onde o real digital está bem desenvolvido e implantado. Então, em um dia qualquer, você vai ao mercado fazer compras

Com o seu smartphone, você se conecta a rede do supermercado, pega os seus produtos e põe no carrinho ou sacola. E vai embora pela porta da frente. 

Enquanto você está escolhendo os produtos, o próprio sistema já lê o que você pegou e faz o pagamento automático, sem você precisar mexer no celular ou enfrentar as filas do caixa, que nesse cenário não serão mais necessários.

E a ideia vai mais além. Ela vai evitar aquelas situações inconvenientes como esquecer dinheiro no bolso e colocar a roupa para lavar.

E mais ainda, o real digital tem a tendência de inibir a ação física de ladrões, já que a circulação da moeda em papel seria muito menor.

Indo ainda mais além, o real digital tem potencial para reduzir as chances de crimes como lavagem de dinheiro, remessas ilegais e falsificação de cédulas.

Isso acontece porque ele depende de um órgão emissor e possui tecnologia de ponta em sua segurança.

Tem mais?

Sim, tem mais. Outro ponto importante é a garantia para a população de que o seu dinheiro não será perdido se uma instituição bancária falir, como já aconteceu.

Como o Real Digital será emitido pelo Banco Central, você só perderia o seu dinheiro em caso de uma quebra financeira completa do país, coisa que é muito mais difícil de acontecer.

Indo mais além, a expectativa do BC é que a moeda digital possa baratear serviços, incluindo os do sistema financeiro, como a transferência de recursos para o exterior, desde que haja acordo com outros países envolvidos, obviamente.

O dinheiro físico vai sumir?

Em primeiro lugar, é importante dizer que a proposta feita pelo Banco Central não é a que coloca o real digital como moeda dominante no país, mas sim como um modo alternativo de pagamento.

Alguns dados corroboram essa intenção. Segundo pesquisa do Instituto Locomotiva, mais de 34 milhões de pessoas não têm acesso a serviços bancários no Brasil. Além disso, e tão importante quanto, mais de 40 milhões de pessoas não têm acesso à internet, segundo dados do IBGE.

Ainda segundo as regras divulgadas pelo BC, não será possível converter todo o nosso dinheiro físico em real digital. O motivo disso é que o sistema financeiro poderia ser colocado em risco.

Além desses pontos, também existe a realidade de alguns brasileiros, que colocarão obstáculos para a substituição completa para a moeda virtual.

Pensando no comportamento dos brasileiros, os mais novos são mais abertos a novidades tecnológicas, enquanto os mais velhos costumam ter receio das novidades.

E como você pode converter seu dinheiro?

A publicação das diretrizes do Banco Central não deixou claro como esse processo será feito, mas, provavelmente você terá que entregar seu dinheiro ao BC por meio de instituições estabelecidas para essa função.

Após feita a conversão, a ideia é que você possa usar o real digital em estabelecimentos do varejo e para fazer transações financeiras.

real digital é a moeda digital brasileira
Real Digital é a moeda digital brasileira

Mas o que falta para o Real Digital começar a circular?

Agora que as diretrizes foram publicadas, o próximo passo é fazer uma consulta pública sobre o assunto, algo exigido pela legislação brasileira.

Isso deve ocorrer nos próximos meses e a expectativa é de que em dois ou três anos a moeda digital seja lançada, mas sabemos que tudo isso depende de uma série de processos burocráticos para entrar em vigor.

Mas será que dá certo?

Fique tranquilo! Alguns países já estão implantando essa tecnologia e a perspectiva é muito boa. Em outubro de 2020, as Bahamas foram o primeiro país a lançar a moeda digital, o dólar de areia.

Países como Estados Unidos, China e Japão já implantaram a moeda digital, ou estão no final do processo. Índia, Rússia e Reino Unido também estudam criar suas moedas digitais emitidas por bancos centrais.

A China, inclusive, começou um período de testes no final de 2020. Para isso, o país premiou através de sua loteria 10 milhões de yuans de forma digital. Chineses inscritos no  iShenzen – um aplicativo de blockchain operado pelo governo chinês – concorreram ao prêmio. Com isso, o governo estimulou o uso da nova moeda e a sua aceitação.

Isso porque o desejo da China é se tornar um país que não usa dinheiro em espécie. Na verdade, o país já está se debruçando nesse assunto desde 2014.

No caso da Rússia, o seu Banco Central inclusive já divulgou uma data para o lançamento, além do nome da nova moeda. O “rublo digital” está previsto pelo governo de Vladimir Putin para começar a circular em 2023.  

Mas entre todos, quem se destaca na corrida por uma moeda digital própria é um país afundado em hiperinflação: A Venezuela.

Há mais de 3 anos, o governo bolivariano criou o Petro  – a moeda digital venezuelana que é na verdade a primeira moeda digital estatal do mundo.

Ela é respaldada pelas reservas de petróleo justamente para driblar os efeitos do bloqueio econômico que os Estados Unidos impuseram ao governo de Nicolás Maduro.

Tabela de Conteúdos