Tipos de Investidores: Descubra seu Perfil de Investidor

por Tasso Lago, em 17 de junho de 2022

Engenheiro, Pós Graduado em Finanças Corporativas pela COPPEAD/UFRJ e Mestre em Corporate Finance pela Université de Bordeaux. Atuou como Analista Financeiro para o Banco da IBM - USA e para Fundação Getúlio Vargas como Inteligência de Mercado. Professor de Blockchain e Criptomoedas na COPPEAD/UFRJ. Atua como Gestor de Portfólio e Consultor Financeiro, tendo mais de 10 milhões de reais em ativos gerenciados.




Quer começar a investir mas não sabe quais caminhos seguir? Antes de tudo é importante descobrir qual é o seu perfil de investidor. 

Entender quem é você no mundo dos investimentos é essencial para saber onde aplicar o seu dinheiro. Existem alguns tipos de investidores e descobrir qual é o seu perfil de investidor é essencial na sua estratégia.

Existem alguns pontos que devem ser observados na hora de traçar esse perfil e é exatamente sobre eles que nós vamos falar nesse artigo.

Quais os tipos de perfis investidores que existem?

Para começar a entender qual é o seu perfil de investidor, vamos começar entendendo quais são os perfis que existem. O que explicaremos aqui é uma forma mais geral de colocar quais são os perfis, mas para identificar corretamente o seu perfil, é essencial que uma avaliação seja feita.

Ao todo, temos 3 perfis de investidor. São eles:

1 – Conservador – Como o nome sugere, o investidor nesse perfil tem uma grande aversão a riscos. Na prática, ele vai preferir aplicações mais seguras.

Ou seja, não está disposto a perder mesmo diante da forte possibilidade de altos ganhos. Assim, esse investidor opta por retornos certos.

Para isso, aplica seus recursos na renda fixa, como títulos do Tesouro Direto, CDBs pré-fixados, LCs, LCIs/LCAs, entre outros investimentos com retorno previsível.

2 – Moderado – É o meio da balança. Um investidor nesse perfil tem mais disposição a correr alguns riscos, mas sem se expor demais. Ou seja, todo risco é calculado em busca de uma boa rentabilidade, minimizando os riscos ao máximo.

O que significa que ele ainda não está disposto a assumir grandes riscos que resultem em uma perda significativa na carteira. Dessa maneira, esse perfil prefere a segurança patrimonial, mas aceita arriscar em algumas situações.

Com isso, há uma versatilidade nos tipos de investimentos, em que alguns são a longo prazo e outros a curto e médio. Por exemplo, pode-se colocar 20% da carteira em ações e o restante em CDBs, Fundos de renda fixa, Debêntures etc.

Logo, observa-se a mistura de seus recursos tanto na renda fixa como na variável, mas ainda há a preferência da previsibilidade do rendimento.

3 – Arrojado – Alguns estudiosos também chamariam de agressivos. O investidor nesse perfil está em busca de rendimentos maiores e disposto ao risco inerente.

Conta-se, portanto, com a imprevisibilidade e as perdas em curto prazo para que se tenha altos ganhos em um tempo maior.

Nesse caso, o investidor preferirá a renda variável, podendo aplicar em ações, fundos de ações, compra e venda do câmbio, fundos imobiliários etc. Logo, o potencial de retorno é maior devido ao risco elevado desses investimentos.

Como identificar qual o meu perfil de investidor?

Para identificar o seu perfil, é necessário responder a um questionário, que foi elaborado por corretoras e bancos, chamado “suitability”.  Ele avalia uma série de critérios e para ajudar você a entender o que é avaliado, elencamos os principais.

Finalidade dos investimentos: se você quer preservar seu patrimônio, comprar algo no futuro ou maximizar seu potencial de ganhos;

Prazo de investimento: por quanto tempo você pretende deixar seu dinheiro aplicado (por exemplo: até 1 ano, de 1 a 5 anos, mais de 5 anos, etc.);

Situação financeira: se você pode precisar do dinheiro aplicado a qualquer momento ou se conta com uma reserva de emergência e outras fontes de renda;

Renda mensal: faixa de rendimentos mensais (por exemplo: até R$ 3 mil, entre R$ 3 mil e R$ 5 mil, acima de R$ 10 mil, etc.);

Percentual da renda investido: qual percentual da sua renda você já investe mensalmente (por exemplo: até 10%, de 10% a 20%, de 20% a 50%, etc.);

Tolerância ao risco: se você está disposto a lidar com a volatilidade do mercado (altos e baixos repentinos) para ganhar mais ou se não suporta a ideia de perder dinheiro em alguns momentos e prefere algo mais estável;

Familiaridade com produtos: quais aplicações e ativos financeiros você conhece atualmente na renda fixa e renda variável (por exemplo: ações, fundos de investimento, CDBs, debêntures, etc.);

Composição atual dos investimentos: percentual do patrimônio atual alocado em renda fixa e variável (se houver) e valor total investido;

Nível de conhecimento do mercado financeiro: relação entre sua formação profissional ou experiência com o mercado financeiro e nível de conhecimento sobre os diversos produtos disponíveis.

Todos esses aspectos são avaliados na hora de definir o seu perfil, com base nas respostas que você fornece. E com o seu perfil em mãos, fica muito mais fácil definir quais caminhos seguir e quais ativos você deve ter em carteira.

Tipos de investidores em empresas

Se você tem uma empresa ou quer investir em uma, saiba que existem tipos de investidores para empresas também. Eles costumam focar no lucro a médio e longo prazo e buscam oportunidades de investir em algo considerado inovador. 

Podemos classificá-los da seguinte forma.

Investidor Anjo – São pessoas ou grupos que costumam investir como pessoa física em startups numa fase inicial de operação. Geralmente, o anjo tem experiência profissional e possui conhecimento sobre determinado mercado, por isso busca apoiar empresas em setores que conhece.

Caso você precise conhecer melhor o seu mercado e busque orientações de alguém que já percorreu o caminho das pedras, busque um investidor anjo.

Aceleradora – São fundos que trabalham com startups no momento da identificação da oportunidade de negócio. Elas apoiam os empreendedores com capital inicial e também com gestão, para que o negócio saia do papel.

Para conseguir isso, as aceleradoras trabalham muito com programas intensivos, que costumam durar em média 6 meses, ajudando a estruturar, testar e acelerar o crescimento do seu negócio.

Se está vivendo esse estágio, a sua melhor opção é uma aceleradora.

Incubadoras – São instituições que auxiliam micro e pequenas empresas nascentes ou que estejam em operação, que tenham como principal característica a oferta de produtos e serviços no mercado com significativo grau de inovação.

Elas oferecem suporte técnico, gerencial e formação complementar ao empreendedor e facilitam o processo de inovação e acesso a novas tecnologias nos pequenos negócios. Se identificou?

A solução para você é conseguir o apoio de uma incubadora.

Crowdfunding – No português, financiamento coletivo, acontece a partir da colaboração de um grupo (pode ser pequeno ou muito grande) de pessoas que investem recursos financeiros nela.

Este investimento segue a dinâmica da vaquinha, a partir do princípio de que pessoas colaboram e, juntas, realizam o que antes não poderiam fazer sozinhas.

A diferença é que, agora, essa modalidade é potencializada pela internet. Se o seu negócio visa um retorno não só para um grupo específico, mas para a sociedade, esta é uma ótima opção para conseguir investimento.

Venture Capital – Os venture capitals (ou VCs) apoiam empresas de pequeno e médio porte já estabelecidas e com potencial de crescimento.

Com duração média de 5 a 7 anos, os recursos investidos financiam as primeiras expansões, levando o negócio a novos patamares no mercado.

Este investimento acontece por meio da aquisição de ações ou direitos de participação. Esta forma de operação, diferente de um financiamento, implica, além da entrada de recursos financeiros, em um compartilhamento de gestão do investidor com o empreendedor.

Para negócios que precisam de mãozinha para fazer um upgrade em seu produto ou serviço, esta solução é ideal.

Tipos de investidores da bolsa

Na Bolsa de Valores, que a gente pode até chamar de templo sagrado dos investimentos, já que muita coisa passa por lá, também dá para classificar os investidores como conservadores, moderados e arrojados.

Mas nesse caso, é necessário entender as estratégias de investimento. Mesmo na bolsa de valores, você tem ativos considerados mais conservadores ou arrojados. Então varia muito de acordo com a estratégia de cada um.

Melhor perfil para investimentos

Uma das perguntas mais comuns quando se fala em perfil de investidor é qual deles é o melhor. A resposta é: Depende.

Depende dos seus objetivos, do que motivou você a investir, do prazo que você estipulou para as coisas acontecerem.

Por exemplo, uma pessoa de perfil mais arrojado e que busca retornos maiores e em menor tempo, não pode investir majoritariamente em títulos de renda fixa. Eles são seguros porém com rentabilidade baixa, apesar de constante.

O inverso também é inadequado. Um investidor conservador não deve apostar suas fichas em ações, por exemplo. São voláteis, com lucros e perdas podendo acontecer no mesmo dia.

O melhor perfil para investidores é aquele que se adequa aos seus objetivos e metas.

Tabela de Conteúdos