Ondas de Elliot nos Gráficos de Cripto em 2022: Como Identificar

por Tasso Lago, em 17 de junho de 2022

Engenheiro, Pós Graduado em Finanças Corporativas pela COPPEAD/UFRJ e Mestre em Corporate Finance pela Université de Bordeaux. Atuou como Analista Financeiro para o Banco da IBM - USA e para Fundação Getúlio Vargas como Inteligência de Mercado. Professor de Blockchain e Criptomoedas na COPPEAD/UFRJ. Atua como Gestor de Portfólio e Consultor Financeiro, tendo mais de 10 milhões de reais em ativos gerenciados.




Uma das referências para análise gráfica do mercado, as Ondas de Elliot podem te ajudar e muito a entender melhor o comportamento dos ativos.

Entender como ela funciona é essencial e neste artigo te explicaremos como fazer isso.

No mundo das criptomoedas e do mercado financeiro, existem diversos indicadores de movimentação e tendências. Uma das mais utilizadas são as Ondas de Elliot.

Elas auxiliam você a entender o comportamento dos ativos.

Conhecer esse indicador e o seu funcionamento pode ser de grande ajuda para o sucesso das suas escolhas de investimento.

Neste artigo, vamos nos aprofundar mais sobre as Ondas de Elliot e como elas funcionam.

O que é a Teoria das Ondas Elliot?

As Ondas de Elliot são uma técnica de análise de padrões gráficos de ativos, que busca encontrar tendências de preços derivadas do “humor” da grande massa do mercado.

Basicamente, essa técnica afirma que os mercados se comportam de acordo com leis naturais que poderiam não apenas ser medidas, mas também previstas, através da utilização dos números de Fibonacci.

Com esta ferramenta é possível compreender a dinâmica dos preços de determinado ativo, traçar futuras tendências, projetar cenários e auxiliar sua tomada de decisão na hora de operar.

Como funciona a teoria das ondas de Elliott?

As ondas de Elliott observam todos os fatores para indicar uma tendência. Não é somente números.

A condição humana nas tomadas de decisões também pode ser mapeada e mostrar como a influência dessas decisões ditam os caminhos do mercado.

As Ondas de Elliot partem do princípio que a aplicação de conceitos da psicologia precisam ser levadas em consideração ao analisarmos graficamente um certo ativo.

Emoção

O primeiro princípio da teoria Ondas de Elliot é a emoção. Este princípio considera que as movimentações nos gráficos de ativos são reflexos da variação de humor e do emocional de quem está por trás das movimentações, ou seja, dos investidores que estão comprando e vendendo.

Partindo desta vertente, o operador estaria tomando suas decisões com base no emocional. Se vários operadores estão tendo emoções similares, e o volume de negociações acompanha, estabelece-se o preço do ativo.

Se você parar para pensar faz todo sentido esta teoria, não é atoa que uma das características mais fortes que um trader de sucesso precisa ter é o controle emocional. 

Descubra qual é o seu perfil de investidor e qual operação é a que melhor se encaixa na sua realidade.

Vamos raciocinar: se você está acompanhando um gráfico de uma determinada criptomoeda e observa seu preço subindo e se mantendo alto, você não ficaria super empolgado?

Com aquela vontade de, ao mesmo tempo vender o que tem, para aproveitar a subida, mas também a curiosidade de esperar para ver até onde vai chegar?

Da mesma forma como ocorre em movimento de queda brusca dos preços, você pode ficar preocupado, sem saber se é passageiro e momentâneo, ou se é uma tendência de queda se confirmando.

Os traders sentem tudo isso, da mesma forma que qualquer um sentiria, especialmente no mercado cripto, onde as oscilações tendem a ser mais bruscas e a ocorrer em tempos menores que em demais ativos financeiros.

Por isso os estudos, as análises técnicas e fundamentalistas, e o acompanhamento de notícias por portais sérios e responsáveis são extremamente importantes.

Tudo isso auxilia os traders a tomarem as decisões certas, com base em dados e fatos, e tentar fugir ao máximo das tentações emocionais.

Impulsão

A impulsão, como sendo um princípio da teoria Ondas de Elliot, pode ser interpretada como o famoso “efeito manada”, momento em que os investidores seguem determinado fluxo, por conta da incerteza do mercado.

Dessa forma, movimentam um alto volume do ativo, criando uma tendência

Também é um princípio que faz bastante sentido e podemos ver como o psicológico dos traders influencia diretamente na movimentação do mercado financeiro.

Ao lidar com ativos voláteis, sobretudo as criptomoedas, é comum lidar com certa incerteza, afinal é um investimento e, como qualquer outro, corre-se riscos.

No entanto, às vezes a incerteza é tanta que os investidores preferem se apoiar uns nos outros e seguirem o mesmo caminho.

Do ponto de vista financeiro, é compreensível não querer lutar contra a maré e preferir o caminho “mais seguro”.

Até porque, depois que vários traders optam por uma determinada estratégia, o grande volume de negociações realmente impacta no preço do ativo e em como ele vai se comportar naquele momento.

Subjetividade

Este princípio da teoria nada mais é que a soma dos dois últimos tópicos: emoção e impulsão. Ele resume o que a impulsão e emoção no mercado financeiro querem dizer: que os preços de um ativo oscilam de acordo com a psicologia humana de quem está operando nesse mercado.

O que há de mais importante neste ponto é compreender que o universo econômico e financeiro não é puramente baseado em fatos, dados e informações concretas.

Muito do que acontece neste universo está intimamente relacionado ao comportamento humano, às nossas emoções, inseguranças e à como nos portamos frente a situações de alta pressão.

Portanto, se você quer entrar nesse mercado é fundamental ter isso em mente para saber definir de forma ainda mais assertiva a sua estratégia de investimentos.

Quais os padrões das ondas Elliot

É válido dizer que as ondas podem apresentar margem de erro em torno de 10%. Esse erro pode ser explicado pelo curto prazo de influência de alguns fatores técnicos ou fatores fundamentais. As ondas de principal tendência são as de 1 a 5. Confira abaixo como as Ondas de Elliot são identificadas.

Onda 1

A onda 1 é identificada quando a “psicologia do mercado” está em baixa, ou seja, o momento não é muito favorável e as notícias continuam negativas. Ela pode representar um salto em relação à mudança de tendência. É válido afirmar que, durante essa onda, os investidores bem informados se posicionam.

O topo da onda apresentará forte resistência e será utilizado para confirmar um pivot. O tamanho dessa onda é fundamental para saber o tamanho das demais.

Onda 2

A onda 2 acontece quando o mercado rapidamente reverte posições que foram fruto de uma conquista difícil. Pode-se dizer que ela é capaz de reverter quase 100% da onda 1, mas não se posicionando abaixo do seu nível de partida. Geralmente, ela apresenta 60% da primeira onda, desenvolvendo-se onde a maioria dos investidores prefere fixar seus lucros.

Onda 3

A terceira onda é a mais buscada por quem segue a teoria de Ondas de Elliott. Ela apresenta um rápido aumento, oriundo do otimismo dos investidores, sendo considerada a mais poderosa e de maior crescimento.

A onda 3 nunca pode ser a mais curta, pois é nela que os preços são acelerados e os volumes tornam-se maiores. Sua tipicidade é exceder a onda 1 em, pelo menos, 1,618 vezes.

A sua fase é representada por muitas compras, por conta da confirmação do pivot.

Onda 4

A quarta onda é a mais difícil de ser identificada. Ela não costuma reverter mais do que 38% da onda 3. Sua profundidade e seu comprimento não são muito significativos, apesar de o mercado ainda apresentar rumores otimistas.

Onda 5

A onda 5 pode ser identificada por conta de divergências de momento. Sua principal característica é uma alta com baixo volume.

O tamanho ideal é igual ao da primeira onda, demonstrando o fim do movimento de alta. Na quinta onda, é comum o aparecimento de divergências nos indicadores, além de indicadores de perda de fôlego do movimento.

Por fim, podemos afirmar que houve uma falha de mercado quando a quinta onda não consegue superar a máxima da terceira onda.

Essa é uma forte indicação de grande força contra a tendência, antecipando que o tamanho das ondas A, B e C terão, no mínimo, o mesmo tamanho da onda 4.

E as características das ondas de correção?

As ondas de correção podem ser utilizadas para definir quando comprar uma ação, por conta do seu movimento ascendente. Além disso, elas também podem ajudar a saber o momento de vender, quando a correção do movimento descendente ocorrer.

Veja, a seguir, as características de cada uma dessas ondas.

Onda A

A onda A é formada por um período de forte baixa, apesar de o mercado ainda acreditar que seja apenas uma correção ­— uma vez que não há nenhum sinal confirmando a mudança de tendência.

Onda B

A onda B, por sua vez, é caracterizada por um período de alta com fraco volume, assemelhando-se à onda 4. Esse tipo de onda é de difícil identificação, apresentando movimentos insignificantes para cima, no fim do otimismo.

Onda C

A onda C apresenta como principal característica uma forte diminuição, mostrando que há uma nova tendência de queda. O fim desse período poderá ser antecipado por meio da observação de divergências nos indicadores.

Livro sobre ondas Elliot

Lá na década de 1930, o contador americano Ralph Nelson Elliott começou a estudar o comportamento dos ativos negociados na Bolsa de Valores de seu país.

Ele estava em busca de padrões no comportamento dos preços, e, para isso, observava-os em diversos tempos gráficos – de 30 minutos a 1 ano.

Retrato de Ralph Nelson Elliott

Em 1938, ele finalmente conseguiu concluir seu estudo, e publicou um livro que se tornou a maior das referências da análise gráfica em todo o mundo: “The Wave Principle”.

Em sua obra, Elliott afirmava que tais leis naturais, citadas no tópico anterior, regiam o comportamento do mercado, e que era possível prevê-las com eficiência.

Apenas à título de curiosidade, Elliott não parou por aí.

Ele continuou seus estudos, e percebeu que poderia aplicar sua tese não apenas no mercado financeiro, mas também no comportamento humano.

Em 2 de junho de 1946, 2 anos antes de sua morte, ele publicou suas novas teses em um livro intitulado “Nature’s Law – The Secret of the Universe”.

É uma leitura bastante interessante e valiosa para entender como os conceitos matemáticos de sua teoria podem ser aplicados à análise do comportamento humano.

Quão precisa é a Teoria das Ondas de Elliott?

É válido dizer que as ondas podem apresentar margem de erro em torno de 10%. Esse erro pode ser explicado pelo curto prazo de influência de alguns fatores técnicos ou fatores fundamentais

A onda Elliott é legítima?

Sendo assim, críticos argumentam que a Teoria das Ondas de Elliott não é uma teoria legítima devido à sua natureza altamente subjetiva e depende de um conjunto de regras que não foram bem definidas.

Ainda assim, existem milhares de investidores e traders de sucesso que conseguiram aplicar os princípios de Elliott de maneira lucrativa.

Tabela de Conteúdos