O que é Tokenomics?

por Isabela Roque (beladosbitcoins), em 25 de março de 2022

Graduada em Engenharia da Computação pela FIAP e Mestre em Engenharia Elétrica e Computação (Inteligência Artificial, Análise de Sentimento) pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. É doutoranda em criptomoedas pelo Mackenzie e também Cientista de Dados. Atualmente é trader, instrutora de Python e R para Análise de Dados e possui a certificação de criptomoedas CBP (Certified Bitcoin Professional) da CryptoConsortium.




Quando investimos em uma criptomoeda, seja ela nova ou mais antiga, sempre olhamos para alguns critérios: equipe de desenvolvedores, a utilidade da moeda, o roadmap dela atual e qual o objetivo no futuro, mas muitas pessoas se esquecem de olhar um outro fator importante: o Tokenomics da moeda. Mas o que é isso? Para que serve? No artigo de hoje vamos entender melhor como o Tokenomics é crucial para entender se um projeto tem potencial de valorização ou não. Vamos lá?

Antes de continuar lendo, entre em nosso canal gratuito e tenha acesso em primeira mão as melhores análises e artigos do mercado -> Entre Agora!

O que é

Como o próprio nome diz, o termo Tokenomics vem de duas palavras inglesas: token e economics, traduzindo ao pé da letra seria algo como “Economia do Token”, ou seja, é uma forma de entender como a economia de uma criptomoeda irá funcionar na prática, antes mesmo de um protótipo inicial.

Na economia tradicional, normalmente, os economistas sempre estão de olho na oferta e na demanda de moedas fiduciárias como é o caso do dólar e do real. É uma forma de entender com total transparência como a economia está “girando”.

No mundo das criptomoedas, esse conceito econômico muda um pouco: ao invés de termos um governo criando moedas aos montes, muitas criptomoedas tem um limite máximo de moedas a serem emitidas como é caso do Bitcoin. Só existirão 21 milhões de bitcoin até 2140 pois o algoritmo que roda a blockchain do bitcoin foi projetado dessa forma, assim como temos diminuição de recompensas (halving) dos mineradores a cada 4 anos, diminuindo a oferta e criando uma espécie de escassez, podendo elevar os preços de quem possui bitcoins.

No caso da criptomoeda ser ilimitada, ou seja, não tem um valor fixo máximo de emissão, ela é altamente inflacionária (o preço pode abaixar ao invés de aumentar) e por isso pode não haver uma valorização de longo prazo.

Como o Tokenomics me ajuda?

Essa é fácil de responder!

Pense o seguinte: vamos analisar uma criptomoeda que possui emissão infinita, como é o caso da DogeCoin. O projeto em si não fala muito pois é uma moeda meme, mas se formos comparar seu potencial de valorização no longo prazo, ele não parece tão atrativo assim.

Mas Bela, ela é a moeda do momento… Vai ser tão valorizada quanto o bitcoin!

Vamos pensar um pouquinho nessa afirmação acima. Um bitcoin atualmente está custando U$ 44.000 dólares e 1 Dogecoin aproximadamente U$ 0,13 dólares. Para que ela chegue no mesmo valor do bitcoin, com o supply total atual, ela teria que ter um MarketCap absurdamente maior que o bitcoin e de outras criptomoedas fortes e se tornaria a moeda mais valorizada da história. Isso faz sentido? Não do ponto de vista de projeto, por isso analisar Tokenomics é tão importante.

O papel fundamental do Tokenomics é entender o VALOR dos ativos, o seu potencial de valorização no longo prazo.

Além disso, é essencial que cada projeto tenha seu próprio Tokenomics no whitepaper oficial ou no site oficial para que os investidores possam decidir se vale ou não a pena investir em determinado projeto.

Por exemplo, devemos sempre analisar o supply máximo da criptomoeda para verificar quantas moedas serão emitidas no total (no caso do bitcoin, são 21 milhões de moedas). Caso o projeto já esteja rodando, é importante também analisar o supply circulante, que é a quantidade de moedas que estão circulando atualmente no mercado.

Exemplo prático básico

Na imagem acima, tirada do CoinMarketCap, conseguimos ver que não há informação de Max Supply, ou seja, a moeda não tem um limite máximo de emissão. Apenas conseguimos ver o supply circulante, que está aproximadamente em 132 bilhões de Dogecoins atualmente.

Já nessa outra figura cima, criptomoeda de um jogo que ainda será lançado, o supply máximo (quantidade máxima de emissão dos tokens) está em 200 milhões.

Claro que apenas essa informação não deve ser o único critério para entrar em um projeto ou não, mas olhando para as duas moedas, qual tem maior chance de valorização no longo prazo?

Conclusões

No artigo de hoje, essa foi uma das várias maneiras de analisar um Tokenomics de um projeto, mas já conseguimos entender como esse conceito, essa métrica é importante para avaliar valorização de criptomoedas. Dentro do Tokenomics, temos um mundo vasto de possibilidades de análise: o vesting de cada criptomoeda na pré-venda, o mecanismo inflacionário e deflacionário da moeda e essa é a mágica de estudar um pouco mais a fundo essee conceito. Fora que no mundo da computação, já existe pesquisa sobre como tornar essas análises inteligentes com machine learning.

Links Úteis

Conheça a nossa Sala VIP, onde publicamos nossos investimentos em tempo real pra você copiar e ganhar tanto quanto nós!

Assertividade de 89,3% em nossos trades. Confira os rendimentos na página do VIP:

https://financialmove.com.br/Sala-VIP-s

Referências

Wandmacher, Ralf. “Tokenomics.” Cryptofinance and Mechanisms of Exchange. Springer, Cham, 2019. 113-123.

Lin William Cong, Ye Li, Neng Wang, Tokenomics: Dynamic Adoption and Valuation, The Review of Financial Studies, Volume 34, Issue 3, March 2021, Pages 1105–1155, https://doi.org/10.1093/rfs/hhaa089

https://coinmarketcap.com/alexandria/article/what-is-tokenomics

https://www.lithtoken.io/news/understanding-tokenomics-the-real-value-of-a-token

https://chaindebrief.com/tokenomics-crypto-rug-pull-10x/

Tabela de Conteúdos